quarta-feira, 1 de setembro de 2010

No silêncio da madrugada
Minhas mãos ansiosas
Sob a leveza dos lençóis
Insones te procuram


Sedutoras e delicadas
Migram para o seu corpo
Passeiam languidamente
Buscando o prazer

Em ínfimo tempo invadem
A quietude de seu sono
Afagos indizíveis seduzindo
Despertando seus desejos

Acariciam insaciáveis
A nudez de sua pele quente
Audaciosas ateiam em ti
A chama inflamável da paixão

Minhas mãos tacitamente
Articulam palavras
Numa linguagem indecifrável
Do desejo que me consome

By Carmem

2 comentários:

  1. Olá Paulo
    Um belo poema cheio de amor e desejos. Quando as palavras são desnecessárias.
    Abração

    ResponderExcluir